Shugo Izumi mostra sua técnica e habilidade no Chawan Project

Shugo Izumi mostra sua técnica e habilidade no Chawan Project

6 de novembro de 2018 0 Por bloghideko

O ceramista Shugo Izumi impressionou o público no dia 24 de outubro, na Japan House São Paulo, ao demonstrar um pouco de sua técnica no torno, que trouxe especialmente para a ocasião. Quem esteve lá pode ver de perto a habilidade de suas mãos e sua concentração. Foi o ponto alto da noite, na quinta palestra do Chawan Project.

Shugo Izumi aprendeu a fazer cerâmica em Cunha, antes de montar seu forno noborigama em Atibaia. Foto: Nikko Fotografia

O ciclo de palestras traz, a cada mês, um ceramista convidado para falar sobre a tigela japonesa. A ideia do projeto, idealizado por Hideko Honma, é que, a partir de uma peça tão bela e funcional como o chawan, os ceramistas e o público possam conversar sobre o universo dessa arte.

“Em suas palestras, os ceramistas abrem o coração e falam daquilo que mais sabem fazer”, disse Hideko no início do evento.

O ceramista falou sobre argila, esmalte e a delicadeza do chawan. Foto: Nikko Fotografia

Assim foi na vez de Shugo Izumi, que falou sobre argila, sobre esmalte, sobre chawan. Nascido em 1949, Izumi veio ao Brasil em 1975, para trabalhar como agrônomo. Acabou adoecendo e foi para Cunha, no interior de São Paulo, onde aprendeu a fazer cerâmica com o mestre Toshiyuki Ukeseki. No ano seguinte, em 1976, mudou-se para Atibaia (SP), onde construiu seu primeiro forno noborigama.

O ceramista contou, durante a palestra, que confecciona sua própria argila, misturando a ela diferentes minérios para obter o resultado desejado. Também falou sobre esmaltes e sobre a delicadeza do chawan.

Peças trazidas por Shugo Izumi, incluindo a de coloração dourada, que chamou a atenção do público. Foto: Nikko Fotografia

 

O ceramista explicou, por exemplo, que o pé, ou base, do chawan, é importante não apenas para segurar o objeto, mas porque ele evita que, ao serem empilhados, os chawans batam um no outro na parte da boca, que é a mais delicada.

 

Habilidade e concentração no torno. Foto: Nikko Fotografia

Em seguida, fez demonstrações em um torno. Com um pouco de argila, e sob o olhar (e os celulares) atento do público, produziu um chawan pequeno e um recipiente maior. Fez, ainda, um chawan no estilo do que é usado em cerimônia do chá.

Dentre as peças que o ceramista trouxe para o público ver de perto, chamou a atenção uma tigela dourada. Segundo o ceramista, foram necessárias muitas pesquisas para chegar a esse resultado.

E assim terminou mais uma noite de muito aprendizado e conversas animadas.

Conversa animada com o público na Japan House São Paulo. Foto: Nikko Fotografia

 

A tigela dourada do ceramista Shugo Izumi. Foto: Nikko Fotografia

A próxima palestra será no dia 16 de novembro, às 11h, com Mitsue Yuba, da comunidade Yuba. As senhas serão distribuídas uma hora antes na Japan House, que fica na Avenida Paulista, 52, próximo à estação Brigadeiro do Metrô.

Acompanhe as novidades no Facebook do projeto, @chawanproject.

Quer saber como foram as outras palestras? Leia aqui no nosso blog! Souichi Hayashi, da Fundação Urasenke, Kenjiro Ikoma, Akinori Nakatani e Kimi Nii foram os primeiros palestrantes do Chawan Project.